Implicação do aborto em futura gravidez

As mulheres que interrompem a gravidez pela via farmacológica ou através de cirurgia correm os mesmos riscos de desenvolver gravidezes extra-uterinas ou sofrer abortos espontâneos, conclui um estudo que contraria outros que atribuem mais risco aos fármacos.

Publicada pelo “The New England Journal of Medicine”, a investigação avaliou o impacto do misoprostol, mifepristona e metotrexato – os três fármacos aprovados para a interrupção da gravidez – na gestação imediatamente seguinte a um aborto, não tendo identificado maior risco de complicações associadas ao uso destes fármacos.

A investigação analisou o primeiro trimestre de gravidez de 12 mil mulheres dinamarquesas a seguir a um aborto, feito com recurso a medicamento ou através de cirurgia, entre 1999 e 2004. Entre os casos analisados registaram-se 274 gravidezes ectópicas, 1.426 abortos espontâneos, 552 partos prematuros e 478 recém-nascidos com baixo peso com incidência semelhante entre as mulheres que usaram fármacos e as que seguiram o processo cirúrgico.

O estudo não compara, contudo, a taxa de complicações surgida em mulheres que se submeteram a qualquer tipo de aborto e as que nunca abortaram. A investigação teve apenas em conta a primeira gravidez após o aborto.

Fontes: Lusa e Imprensa Internacional
ALERT Life Sciences Computing, S.A.

22 de Agosto de 2007

 

 

Fonte:fonte: http://portal.alert-online.com/?key=680B3D50093A6A002E42140A321A2A5C0B683E0A7607527A625673

 

Anúncios

Tags:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: